quinta-feira, 26 de maio de 2011

ESTILOS - Uma humilde homenagem a Gilberto Mendonça Teles

NÃO QUERO PROSA, NEM POESIA;

MAS A GRAVIDEZ DO VERBO;

O PARTO NORMAL;

A CENTELHA DO PRIMEIRO SOPRO;

NA NUDEZ DA FRASE, QUERO FEBRE;

E UM FRIO, NO PONTO FINAL;

CORPO PRESENTE,

OLHOS VIDRADOS,

ALMA BAILANDO;

A EXPLOSÃO DE UM SUSPIRO, NO MEIO DA FALA;

COSTURAR MEU PEITO NO TEU;

E FORMAR CONSTELAÇÃO;

SE TEUS OUVIDOS CALAREM MEU PRANTO;

SE TUA MENTE MATERIALIZAR MEU RISO;

SE TUA PELE SENTIR ESSE CORTE;

SE ESSA LUZ TE FIZER BRILHAR;

ENTÃO, HEI DE NÃO QUERER MAIS NADA;

NEM MÉTRICA, NEM RÓTULO,

NEM VERSO, NEM RIMA;

PORQUE AÍ, MEU BEM,

ESTAREMOS BEM, BEM ACIMA.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Carteiro - da série "Ela"



EU ... SÓ TIVE QUE EXISTIR, FALAR DE PABLO E

SEGUIR O TEU CHAMADO,

SIM, A POESIA É NOSSA MORADA, TESTEMUNHA;

SOMOS, JUNTOS, O ENTUSIASMO DAS SEMENTES, SOLO AFORA;

TUDO O QUE DE BOM EXISTE PARA A POSSIBILIDADE;

CONSIGO, COM A FORÇA QUE ME TOMA,

QUASE SENTIR SEU TOQUE;

O EFEITO QUE ME CAUSAS ARDE NO ABAFAR DO GRITO;

UM ESTADO DE IMOBILIZAÇÃO;

UM TREMOR QUE CALA, SUSPENSO NO AR;

UM IMPLORAR DE POROS QUE TE QUEREM TATO;

TODA A FOME CONTIDA NA LÍNGUA;

NO SUSURRO DAS ROSAS,

PRESAS NA MINHA GARGANTA;

VOU LONGE PRA TE ABRAÇAR,

ME ESPANDO, ME PERCO, ME TRANSPORTO;

REAPAREÇO NO VERMELHO DO VINHO;

PRA TE PERCORRER;

AFROUXAR TEU RISO;

BANHAR TECIDOS;

INUNDAR AS FIBRAS;

AFAGAR, SUTIL, OS MAIS ESQUECIDOS ATALHOS;

E VER ERGUER A GLÓRIA DESSE DESASSOSSEGO;

FAZER O ÁLCOOL INFLAMAR;

ESGOTAR A ÁGUA ATÉ QUE TUDO VIRE POÇA;

COMPARTILHAR FRAGILIDADE;

PARA, ENTÃO, VER CUMPRIR NOSSA PROMESSA

terça-feira, 17 de maio de 2011

MAIS VINTE E QUATRO HORAS - da série "Ela"

TENS, AGORA, O QUE HÁ DE MAIS INTEIRO EM MIM;
MINHA INTENÇÃO,
COMPLETAMENTE;
O QUE HÁ DE MAIS LEAL?
COMO POSSO DORMIR, SE ESSE HIPNOTIZAR DE OLHOS NÃO CESSA?
TALVEZ PORQUE ESSA CONDIÇÃO NÃO VENHA DE UMA IMAGEM EM TIC-TAC;

MAS DE UMA SEDUÇÃO DE IDEIAS, DE DENTRO;

TENS O PODER DE ADIVINHAR MEU RUMO;

SABER MEUS PASSOS;

ANTECIPAR MEU DESEJO;

TENS O DOM DE ME GUIAR, SEM DAR COMANDOS;

TRAZER CLARIVIDÊNCIA, NESSE ENTRELAÇAR DE LETRAS;

DE ONDE, QUIETA, AGUARDO A POESIA CHEGAR;

TORNA FÉRTIL O DESERTO;

FAZ SURGIR ÁGUA DO FOGO;

E DO FRIO A SENSAÇÃO MAIS ESPERADA;

Ë TEU O MUNDO QUE NASCE PELA MINHA FÉ;

É TEU TUDO O QUE VIBRA EM EXISTÊNCIA, A PARTIR DE MIM;

SÃO SUAS MINHAS PROMESSAS QUEBRADAS;

TODOS OS PONTOS FORA DA CURVA;

É TANTO QUE JÁ NEM ME SEI MAIS;

EM LUGAR ALGUM, QUE NÃO SEJA AÍ, NESSE LUGAR, INTEIRAMENTE CONTIGO;

SÓ POR HOJE.